Friday, March 27, 2009

Clarificar

Não é que te queira magoar. E não é que seja crueldade da minha parte. Simplesmente, já não és importante e não existe tempo para esta hesitação ridícula. Tens o lugar vazio que deixaste , que te pertence, que nasceu para ser teu. E tens a chave do quarto negro cuidadosamente trancado. Só morres porque queres. Pelo menos , durante estes dias de Primavera inspiradora.
Já não te consigo proteger, nem de mim. E não é que tenha o coração duro como a pedra. Mas não me podes pedir para ignorar o que os olhos viram, oque os sentidos percepcionaram. O teu falhanço. Comigo, contigo, E a minha suave decepção. Porque foste apenas mais um na forma e no acto de errar.
E isso afastou-me de ti. Existe no teu ser todo um fracassar típico do ideal que despreza o azul da minha filosofia.