Sunday, October 05, 2008

Legitmidade

Podias, ao menos uma vez na sombra da tua existência, ser honesto e elevar na leveza do teu gesto a verdade. Mas não, mentes.Mesmo depois da lágrima ter sangrado foges á manhã clara que é a realidade a que verdadeiramente pertences.
Deixa-me um segundo de manobra para te poder assassinar e chorar pela tua morte física, assim, é menos dificultoso. Tu lembras-te de todos os barcos que partiram e voltaram com um novo mapa, mas muitos deles perderam-se no mar e na memória. Por isso, peço-te, deixa-me ver o teu naufrágio por ambição ridícula, para te poder enterrar debaixo de uma qualquer terra. Permite-me o teu esquecimento ou o homicídio será mais sangrento e violento. Doer-te á mais num dia longínquo e de nevoeiro em que a tua mão possa necessitar do calor que a minha já não te pode dar.
Podias, ao menos hoje, sorrires á vida e consertar o puzzle que está a tua espera.
Não podes. Farei, então, um enterro anónimo debaixo da terra da calçada para sentir, todos os dias, debaixo dos meus pés, a tua patética existência.