Monday, October 27, 2008

Dual

Fechaste os olhos e encostaste-te para trás. Ás vezes o mundo circundante é demasiado intenso e barulhento para a tua simplicidade severamente conquistada.
A pergunta continua activa e brilhante no meu pensamento: Quem és tu e quem sou eu? Quem somos nós juntos e em interacção?
Sim, duvido e sim, receias. Estás a dedicar a tua vida a um caminho que nunca vais poder concretizar e o ideal é duro para ti: viver apenas para caminhar e comprovar fisicamente a tese é tanto um privilégio como uma maldição nocturna.
Mas estás comigo e eu tenha a marca da maldição no ombro, tenho tatuado a flor dos condenados. Condenas-te comigo se permaneces aqui.
A pergunta persiste e mantem-se: quem somos nós, filhos de pagãos inocentes de outrora?
Fechas os olhos e tentas relaxar, o barulho está a sufocar-te a existência.