Thursday, April 30, 2009

Tristeza

A minha tristeza é existencial.
Sempre percepcionei o teu erro mas guardo ainda sonhos diurnos e clarividentes. Tu poderias ter sido um, teria sido tão fácil.
E foi tão difícil. Não existiu decepção, como uma ferida profunda que não dói ao cortar violentamente. A dor incolor é ainda mais triste. Eleva-se no silencio com o som da sentença, o timbre da consequência do dom negro e vazio.
A minha tristeza é indefinidamente triste. Porque tu foste a hipótese patética de fugir à minha maldição.E apenas a revelaste mais nitidamente chacinando todas as pequenas esperanças que eu criava cuidadosa e carinhosamente.
A minha tristeza é dura e pesada. Um dia serás odiado e rejeitado. Porque a minha tristeza é a saudade que me deixaste de mim.