Saturday, April 25, 2009

Paralelismos

O mundo repete-se, apenas tu te ausentas com o teu caminho branco. Sinto a tua falta, como se tivesses existido há demasiado tempo, como se tivéssemos morrido e renascido em realidades separadas. Sinto a tua falta, os olhos fecham porque sentem o peso da tua ausência, mas desconheço-te. Não fazes sentido. Marcas-te com um ângulo diferente de lágrimas vazias ( e eu já nem essas tenho).
O mundo repete-se, os dias sobrepõem-se em pausas contínuas de uma dor grave e baixa. E alguém ocupa o teu lugar. Eu já não te reconheço, já não és inteiramente tu na tua grandiosidade humilde.
O mundo até se pode copiar, podem todos os segundos ser uma repetição anterior de um segundo primitivo. Mas eu escolhi uma realidade paralela , onde tu foste brutalmente assassinado.