Sunday, September 07, 2008

Sangue Queimado

O fogo queima-te o corpo e chegas a sentir o calor da chama rasgar a pele devagarinho. Mas não aqueces, o fogo regenera-te o corpo mas não queima a lágrima cavada no teu ser. Onde não há liberdade, não há identidade e tu estas à beira do fim, de um qualquer que seja dramático.
Existem noites em que Orfeu renasce em ti; e , então, vês o mundo antigo construído por debaixo das estrelas partilhar a sabedoria perdida contigo. És iluminado por Orion, ou por Osíris, conforme a direcção do vento que escolheres, e a pirâmide cede ao teu amor e deixa-te observar de perto a riqueza e a beleza exótica.
Mas ninguém te acredita. O Inferno começa. Tens a estrela pegada ao teu coração, abarca todo o teu amor, toda a tua existência que o mundo circundante encara como inútil.
Quando a chama deixar de aquecer o corpo e o frio se instalar no teu ser, as vozes deles ficarão enclausuradas na tua cabeça. O Inferno terminará e a estrela ficará manchada de sangue rubro de tão inocente e sofrido.
O teu.