Wednesday, February 25, 2009

Carta do Solitário

O mundo tem culpa, aliás é ele o verdadeiro responsável. Não que importe, acabou, que mais posso eu fazer? Nem tu podes alterar coisa alguma.
Um dia voltarei a ver o teu sorriso , aberto e simples. Não será perto de mim para o sentir como dantes. Estará lá apenas a minha sombra para contemplar a tua grandeza modesta, para garantir que o amor terminou. E um dia talvez até te esqueças de mim, como o vento que nunca se acomoda num lugar especifico, tudo o que te quero é felicidade. Como o coração é o de Orfeu, desdenhei a Eurídice para a não ver morrer.
Mas nunca eu me vou esquecer de ti, do teu perfume, do teu passo leve. Permaneces aqui comigo, sempre. A tua memória tão suave e fresca magoa-me porque a perdi.
Perdi. E não ha nada a fazer. Nada tenho a perder, tudo o que me importava partiu com o vento. Acabou e esgotei a minha última lágrima inutilmente porque não ta dei.