Sunday, January 21, 2007

Desprezo

Há momentos como este, em que me sinto completamente só. Em que gosto (ainda mais) da minha solidão. Em que prefiro o silêncio total e solitário à confusão produzida pelo resto das pessoas ; em que prefiro o escuro da noite ao sol de um novo dia , sem qualquer atitude depressiva ou dramática. Simplesmente provoca-me enjoos a hipocrisia, o cinismo e e a futilidade que vejo todos os dias, patentes em quase tdos os rostos. Então, numa atitude de cansaço, afasto-me o mais que posso desse mundo que às vezes é tão cruel; que discrimina tanto. E aproveito a minha solidão: ouço música. Assim , o prazer da alma cheia supera o desprezo que às vezes me dói tanto sentir.

3 comments:

Alice in Wonderland said...

Não contesto a tua solidão. E não ponho em causa que dela precises, mais do que à futilidade que se bamboleia pelas ruas. Mas não te entregues a ela. O Mundo na sua essência pode não ser assim. O que vês é uma amostra. Talvez uma má amostra.

Beijinho!

Wings said...

Concordo. A solidão pode ser encarado como um outro amigo. Apenas isso.
Contudo, lembra-me uma frase de Andre Malraux: "se existe uma solidão em que o solitário é um abandonado, existe outra em que ele é solitário porque os homens ainda não se juntaram a ele."

Lua said...

Sim, a Alice tem razão. Há momentos em que nos sentimos confortáveis na nossa solidão, mas abandonarmo-nos a ela nem sempre nos enche a alma.. Por vezes precisamos "desse mundo que às vezes é tão cruel"..

Beijnhos*