Tuesday, May 29, 2007

Pensamentos

Espero. E o tempo que espero provoca-me rugas profundas no rosto, no espírito.
Gostava de não ter de estar aqui, à espera. O correcto prende-me inevitavelmente à cadeira da secretária. Tanto que daria para ser livre, para estar noutro sítio mais apetecível . Os meus olhos vão-se cansado, sem que se fechem. Não estão autorizados. Tanto que daria para estar longe..
Mas contínuo à espera. O sono e o cansaço vão- me anulando, aos poucos. Mas nunca tanto como esta espera rídicula. Esta espera impotente, que será derradeiramente inútil. Eu sei.
No entanto, permaneço aqui. Agarrada à hípotese minuscula de poder resultar. De a espera poder ser útil.
Como sempre, como todos nós. Agarramo-nos sempre a hipotese positiva. "A esperança é um empréstimo que pedimos à felicidade"
E continuo à espera.
De quê?