Wednesday, February 03, 2010

Fim

Deixa-o respirar. Foi a escolha dele, deixar-te para trás. E tu escolheste deixa-lo fazer, nao o conseguiste impedir de optar pelo sonho que o movia. Que não foi opção nenhuma porque ele era a visão que tinha do mundo. E se tu não fazias parte dessa realidade excêntrica e inovadora não podia ficar contigo. Nunca pôde. Liberta-te da ilusão.
Deixa-o chorar. Deixa-o lamentar a tua morte enquanto o tentas abraçar. Ele nem sequer sabe se foi a melhor escolha. Ou se existe isso, esse conceito estridente de melhor. Ele acredita que não, apenas não conseguiu escapar ao seu próprio destino. E tu morreste , a dor é aguda. A tua morte. Inevitável. Enquanto ele cumpria o seu pomposo destino. De herói discreto.
Deixa-o respirar.Deixa-o dissecar a escolha que nunca existiu. Insistes em abraçá-lo. Vais acabar por desistir perante a apatia firme dele.
Não acredita em fantasmas. Por isso é que ignora o teu choro, o teu abraço. A tua dor.

2 comments:

UMA MULHER said...

Olá estou lhe fazendo uma visita, gostei muito do seu trabalho.
Sinta se a vontade para me visitar
http://araretamaumamulher.blogspot.com/
fique na luz e na paz

Pedro Correia de Oliveira said...

O fim é soturno e frio, mas sempre deixa aquela fresta que acarreta o calor de um feixe de luz que anuncia um recomeço, o calor que desse pequeno raio de luz será sempre o suficiente para ganhar forças e trazer o resto do corpo para o calor da luz. Parabéns belo trabalho