Friday, June 05, 2009

Desigualdade

Sentes-te frustrado, injectaste-o com a doença mas ele está vivo ainda. A tua dor é legítima, infectaste-o com um vírus e ele criou-te imunidade .
Não vais desistir tão depressa , tens consciência absoluta que vós não podeis coexistir. E tem um peso acrescido no teu coração, negro e profundamente frustrado, a vitória cheia dele: diminui-te na forma como existe estável na filosofia de vida carismática.
Mas ele também não vai quebrar, a sua resistência conhece abstracta e detalhadamente a tua fragilidade, o ponto em que o osso se desfaz e tu sofres agudamente de dor. Esta a tornar-se mestre na forma como evoca Júlio César: está a começar a dominar absolutamente a arte da guerra dissimulada e irónica.
Sentes-te frustrado mas a culpa é tua, não o deixaste em paz. Porque não o deixas em paz? Não vales nada para ele, nem como inimigo. Como o tentas torturar, reduzir-te-á a cinzas com mais prazer do que devia.
Pena ser tão fácil...